Classificação das Práticas

Classificação das Práticas

Kent Beck dividiu as práticas da XP em duas classes: As práticas primárias e as corolárias [BECK, 2005].

 

:: Práticas Primarias

Pode-se começar com qualquer uma delas, ou aplicá-las em qualquer momento no decorrer do projeto, e obter de forma segura, benefícios imediatos. A ordem em que elas devem ser adotadas não é determinante para a melhoria da qualidade, é uma decisão que depende unicamente do que a equipe identificar como a melhor oportunidade de melhoria para o projeto atual. [IMPROVE IT, XP]

:: Práticas Corolário

Cada prática corolário, para funcionar corretamente, depende da implantação efetiva de uma ou mais práticas primárias. Por este motivo, as práticas corolário tendem a ser difíceis ou perigosas de aplicar, sem antes ter domínio sobre as práticas primárias. “Se você começar a implantar o software diariamente, por exemplo, sem baixar a taxa de defeitos para algo muito próximo de zero (com programação em par, integração contínua e desenvolvimento orientado a testes), você terá um desastre nas mãos.” [IMPROVE IT, XP]

\o ‘s,
ViniciusAC.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s